Você sabe para que serve o fundo de reserva?

25 de setembro de 2017

 

fundo-de-reserva

Esta cobrança é facultativa, sendo que o percentual deverá estar fixado no contrato de adesão e o valor diluído pelo número de parcelas mensais. Prevista na Lei dos Consórcios (11.795/2008), o fundo de reserva deve ser usado exclusivamente para:

 

  • Cobertura de eventual insuficiência de recursos do fundo comum;
  • Pagamento de prêmio de seguro para cobertura de inadimplência de prestações de consorciados contemplados;
  • Pagamento de despesas bancárias de responsabilidade exclusiva do grupo;
  • Pagamento de despesas e custos de adoçã de medidas judiciais ou extrajudiciais com vistas ao recebimento de crédito do grupo;
  • Contemplação, por sorteio, desde que não comprometida a utilização do fundo de reservas para as as finalidades previstas nos itens anteriores.

 

Quando o grupo de consórcio se encerra, caso exista saldo positivo do fundo de reserva, este será devolvido integralmente e proporcionalmente entre todos os participantes do grupo que cumpriram com o contrato.

 

A cobrança do fundo de reserva deve ser vista pelo consorciado como mais uma garantia para o bom funcionamento do grupo, segundo explica a gerente do departamento jurídico da Abac, Elaine Gomes: “este fundo permitirá que a administradora continue contemplando os integrantes do grupo mesmo em caso de adversidades”.

O perfil do consorciado brasileiro

25 de setembro de 2017

pesquisa-consorcio

 

No Brasil, 60% dos consórcios são mantidos por homens e 40% por mulheres. As preferências entre o público masculino são pelos planos de aquisição de motocicletas (73%) e caminhões (70%). Já elas lideram as cotas de serviços (58%) e de eletrônicos (55%).

 

Os dados são da pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Consórcios (Abac) para traçar o perfil dos consorciados no País. Foram ouvidos mais de 1.400 clientes, em oito capitais brasileiras.

 

O estudo revelou, ainda, que 44% dos entrevistados representam a classe C, seguidos por 26% na classe B, 23% na classe D e 7% na classe A. Em relação à idade, a maioria dos clientes de consórcio (34%) têm mais de 50 anos. A faixa de 30 a 39 anos representa 26% dos consorciados, enquanto 23% deles têm entre 40 e 49 anos. Os jovens de até 29 anos são minoria, com apenas 17%.

 

Um número que mostra o potencial de crescimento desse sistema de compra está representado no percentual de percepção do público de que o consórcio é um bom negócio: este índice subiu de 54% na pesquisa anterior para 66% no último levantamento. Outra boa notícia para o segmento de veículos é de que 62,5% dos entrevistados que planejam comprar automóveis poderão fazê-lo por meio de consórcio, o que significa quase 2 em cada 3 entrevistados.

Saiba por que o consórcio é um dos investimentos mais seguros

25 de setembro de 2017

 

 

Cada vez mais pessoas encontram no consórcio uma alternativa prática e segura de investir, mesmo em tempos de economia incerta. A Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios (Abac) revela que no primeiro quadrimestre de 2017 a adesão ao sistema cresceu 19,2%, totalizando 75, 7 mil novos contratos e movimentando R$ 9,9 bilhões. Várias são as razões que levam os investidores a optarem pelo consórcio:

 

Sem juros:  diferentemente de um financiamento, o consumidor paga apenas uma taxa de administração, que é significativamente menor do que os juros.

 

Poupança forçada: para quem não tem o hábito de poupar dinheiro e comprar à vista, o consórcio é uma forma de planejar uma aquisição, pois terá o compromisso mensal do pagamento das parcelas.

 

Regras transparentes: ao escolher uma administradora séria e profissional, o cliente tem a certeza de contar com regras claras e transparentes, pois a atividade é regida pela lei nº 11.795 de 2009. A modalidade é regulamentada pelo Banco Central do Brasil.

 

Seu dinheiro sempre tem valor: o crédito no consórcio é corrigido conforme critério estabelecido no contrato, seja pelo INCC (Índice Nacional de Custo da Construção), no caso de imóveis, pela tabela do fabricante ou IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), no caso de veículos ou serviços. Com isso, fica assegurado o poder de compra das cotas não contempladas.

 

Flexibilidade no pagamento: o cliente pode antecipar parcelas ou antecipar a aquisição do bem por meio de lances. Além disso, é possível conciliar o valor das mensalidades de acordo com sua realidade financeira, adequando o prazo ideal para aquisição do bem.

 

Por esses motivos, muitas pessoas estão encontrando no consórcio a solução ideal para adquirir ou reformar um imóvel, comprar ou trocar de carro e até para realizar outros planos.

Breitkopf Consórcios participa do 1º Festival Massa com Galeto

24 de agosto de 2017

 

Em parceria com a Breitkopf Veículos, o Consórcios esteve presente tirando dúvidas sobre a modalidade

Em parceria com a Breitkopf Veículos, o Consórcios esteve presente tirando dúvidas sobre a modalidade

 

A Breitkopf Consórcios participou do 1º Festival Massa com Galeto. O evento ocorreu no salão da capela São Francisco de Assis, no bairro Boa Vista, em Blumenau, no dia 6 de agosto. No festival, a Breitkopf Consórcios, em parceria com a Breitkopf Veículos, esteve presente com tenda e exposição do automóvel Up!. A equipe do Consórcio atendeu diversas pessoas, que vieram em busca de informações sobre o carro e sobre a modalidade consórcio.

Fonte: Breitkopf Consórcios

 

Plantão de vendas em Guaramirim

24 de agosto de 2017

 

Evento ocorreu na praça central do município

Evento ocorreu na praça central do município

Pauta-4-Plantão-de-vendas-em-Guaramirim

 

A Breitkopf Consórcios realizou um plantão de vendas na Praça Central de Guaramirim nos dias 21 e 22 de julho. Durante a ação, a equipe Consórcios atendeu diversos clientes, que estavam com dúvida em relação à modalidade e na opção de compra de cotas de consórcios.

Saiba como organizar as finanças e fugir das dívidas

24 de agosto de 2017

 

A Breitkopf Consórcios dá três dicas para você

A Breitkopf Consórcios dá três dicas para você

 

As dívidas assombram a vida de muitos brasileiros. Com a situação econômica do País, delicada e com muita insegurança, os custos do dia a dia acabam aumentando. O orçamento já não dá mais conta e aí quando menos se espera, as finanças saem do controle. Sem saúde financeira, a vida fica bagunçada e os problemas se acumulam. Para ajudar você a manter os gastos em dia, controlar as dívidas e respirar aliviado, a Breitkopf Consórcios dá três dicas especiais.

 

Quais são as suas dívidas?

Parar e avaliar todas as contas anteriores e futuras. Este é o primeiro passo. Compras parceladas no cartão de crédito, carnês e contas que costumam aparecer periodicamente, como material escolar ou viagens em feriados, devem ser elencadas.  Isso vai te dar um quadro geral de endividamento, não só para o próximo mês, mas para um período maior. Com isso será mais fácil planejar a recuperação financeira e fazer os devidos cortes.

 

Diga não para novos gastos

Tenha consciência de quais são as dívidas e quando vão terminar.  Antes disso, nada de novas contas. Vale guardar o cartão de crédito e o talão de cheques em casa para não cair na tentação de usar. Comprar à vista é uma ótima opção neste caso, pois não compromete a renda futura. Andar com dinheiro no bolso é outra dica, pois você vê o dinheiro indo embora. Nesse caso, não existe aquela sensação de “não estou gastando”, que o cartão causa.

 

Onde você pode reduzir custos?

É preciso apertar o cinto e reduzir os custos para ter de volta aquele fôlego que a inflação tirou. Então reveja os gastos e evite o desperdício de água e luz, seja em casa ou no trabalho. Faça a famosa listinha de mercado, para ter mais foco na hora de comprar e fugir das tentações, que geralmente elevam os gastos. Nada de excessos, pense sempre duas vezes antes de qualquer compra e concentre seu foco nos gastos realmente necessários. Certamente este aperto no cinto vai fazer sobrar algum dinheiro. Neste momento é que inicia a recuperação financeira.

 

Com planejamento, economia e seguindo as dicas, as finanças voltam ao normal. Com tranquilidade é possível retomar o poder de compra e até pensar em um investimento futuro, como investir na Breitkopf Consórcios e ter um carro novo na garagem.

Fonte: Breitkopf Consórcios

Consórcio é opção de investimento para saques de contas inativas do FGTS

24 de agosto de 2017

 

Muitos brasileiros agora têm a possibilidade de retirar o dinheiro de suas contas inativas do FGTS e quitar antigas dívidas

Muitos brasileiros agora têm a possibilidade de retirar o dinheiro de suas contas inativas do FGTS e quitar antigas dívidas

 

Apesar de existir a possibilidade de retirar o dinheiro de suas contas inativas do FGTS e quitar antigas dívidas, ainda existem dúvidas sobre como aproveitar essa ocasião para realizar os melhores investimentos com o montante recebido. Uma opção é o consórcio, que oferece diversas oportunidades para aquisição de bens como imóveis comerciais e residenciais, veículos, motocicletas, entre outros. Sua principal vantagem é a ausência da cobrança de juros, sendo preciso apenas arcar com taxas administrativas. Para aqueles que ainda não possuem um consórcio, o valor recebido do FGTS pode ser aplicado na compra de bens, através de um planejamento de longo prazo. Dessa forma, o consumidor poderá pagar parcelas que sejam adequadas ao seu orçamento mensal e ampliar o seu capital. Além disso, é possível utilizar o crédito do consórcio para construir, reformar ou investir, especialmente para quem deseja ter uma aposentadoria a partir de rendimentos obtidos de patrimônio imobiliário.

 

O valor da conta inativa do FGTS também pode ajudar bastante aqueles que já são consorciados. Para o participante do consórcio automotivo que ainda não foi contemplado, uma alternativa é oferecer um lance maior e aumentar as chances de antecipar seu acesso ao crédito, além de reduzir o número de prestações, diminuir o valor pago mensalmente ou até quitar a cota. No caso daqueles que já receberam a carta de crédito, há as opções de abater parcelas a vencer, antecipar a quitação ou mesmo reduzir o tempo da dívida. Já, para quem possui consórcio imobiliário, o ideal é não tirar o FGTS da conta, uma vez que as ações para este tipo de consórcio podem ser realizadas diretamente na conta do titular.

 

De acordo com a ABAC (Associação Brasileira de Administradoras de Consórcio), foi registrado um aumento de 8,5% nas vendas de novas cotas de consórcio, quando comparamos o primeiro bimestre de 2016 com os dois primeiros meses de 2017. Os créditos correspondentes comercializados subiram de R$ 10,94 bilhões para R$ 13,34 bilhões, no mesmo período.

 

Fonte: ABAC

Consórcio cresce 7,8% em 2017

24 de agosto de 2017

 

Veja vantagens e desvantagens de comprar por meio desta modalidade

Veja vantagens e desvantagens de comprar por meio desta modalidade

 

Adquirir imóveis, automóveis e serviços pela modalidade segue em alta por não ser afetado pela oscilação de juros e ter condições mais amigáveis. Os brasileiros parecem ter redescoberto um método para adquirir bens em período de recessão econômica. O pré-requisito para essa estratégia de compra consiste em não haver pressa para ter a posse do imóvel próprio ou do veículo, por exemplo. Mesmo raciocínio vale para adquirir serviços como viagens, reformas e procedimentos estéticos, que entraram mais recentemente no rol dos consórcios. As vendas de novas cotas dessa modalidade de transação cresceram 7,8% nos primeiros cinco meses deste ano, quando comparadas com o mesmo período de 2016, segundo levantamento da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC).

De janeiro a maio foram vendidas 912,5 mil cartas de crédito, que dão direito à participação nas assembleias e aos sorteios dos bens de consumo. No ano passado, foram 846,3 mil novas cotas comercializadas por quem administra os consórcios. O volume de negócios atingiu R$ 36,3 bilhões, que representa um acréscimo de 24,7% em relação aos R$ 29,1 bilhões registrados há um ano.

Na avaliação do presidente da ABAC na Região Sul, Augusto Letti, a elevação da taxa de juros no Brasil, que impacta os financiamentos comuns, mas deixa imunes os consórcios, não é a única justificativa para tal cenário. O administrador acredita que esse comportamento também pode ser atribuído à tendência que as pessoas apresentam sobre o coletivo em relação à compra.  “O crescimento é reflexo de uma evolução do próprio consumidor, que apresenta uma maneira mais consciente de buscar recursos para consumir. Hoje, esse conceito do coletivo, do grupo se ajudando, está mais forte. E também é mérito para o próprio sistema de consórcio, que ganha confiança ao transmitir aos consumidores informações sobre esse tema da educação financeira”, avalia. Ainda conforme as impressões de Letti, em relação aos três Estados, é possível afirmar que há mais mulheres comprando por meio de consórcios. O planejamento também se dá, majoritariamente, entre pais que almejam comprar apartamento para os filhos, casais novos partindo para uma opção mais segura do que o aluguel, além da formação de patrimônio. E, claro, há a troca do automóvel próprio ou a compra de um segundo imóvel. Em Santa Catarina, 24,2% das compras de veículos leves (automóveis, utilitários e camionetas) feitas de janeiro a maio foram possibilitadas por meio de consórcio.

No ano passado, essa participação havia alcançado somente 20,7%. Logo atrás, vêm os consórcios de imóveis, que representaram 21% nas vendas desse tipo de bem e tiveram crescimento de 0,8 pontos percentuais neste ano.

Veículos impulsionam alta da modalidade

O analista de comércio eletrônico Jonatas Machado, 30, foi um dos catarinenses que aderiu à modalidade de compra quando decidiu trocar de carro há pouco mais de uma semana. Na tentativa de ser contemplado rapidamente, ele vendeu o veículo antigo, guardou o dinheiro na poupança e, agora, espera a oportunidade ideal para realizar um lance. Com a decisão optou por uma taxa de administração de cerca de 15% em detrimento aos juros que variam entre 13,3% e 69,36% ao ano, conforme o Banco Central. Acredita estar fazendo um bom negócio e, dentro de três meses, ou mais precisamente 12 assembleias, projeta buscar as chaves do veículo. “Peguei uma carta significativamente mais alta justamente porque eu tenho a intenção de dar um lance alto para conseguir tirar mais rápido. Tudo isso me leva a acreditar que eu vou conseguir a contemplação com certa brevidade, levando em consideração que eu tenho um bom lance para ser dado e pela quantidade de pessoas que participam da mesma carta. Mas, para mim, por ora, é muito tranquilo porque eu não tenho pressa, já que posso ir trabalhar de ônibus”, afirma Machado.

Ele conta que, antes de assinar o contrato, prestou atenção em variáveis como flexibilidade, valores e quantidade de prestações, além de ter pensado em uma proposta atrativa. São as mesmas recomendações do consultor financeiro Crisanto Soares Ribeiro, que também é professor na Universidade do Vale do Itajaí (Univali). “O cidadão comum ainda não teve acesso a um impacto efetivo da redução dos juros e isso ainda vai levar muito tempo. Então, muitas pessoas têm usado o consórcio como forma de planejamento. Se pode esperar um pouco mais para ter acesso ao bem, os custos são menores do que os de outros financiamentos, como o leasing. É preciso colocar na balança o custo e o prazo de cada operação”, recomenda Ribeiro. O consultor ainda faz uma ressalva: não é interessante se a intenção for investir, pois há opções bem mais rentáveis, como o fundo de ações, apesar do risco.

Fonte: http://abac.org.br/servicos/clipping/agosto2017/10_08_17/o_sol.pdf

 

Autonomia financeira

21 de julho de 2017

 

Aprenda a utilizar o dinheiro de forma consciente

Aprenda a utilizar o dinheiro de forma consciente

 

Segundo dados fornecidos pela Federação de Comércio de São Paulo, atualmente 63% das famílias moradoras das capitais brasileiras estão endividadas.  Este cenário destaca a necessidade de fornecer às crianças desde cedo, o conhecimento para utilizar o dinheiro de forma consciente. Mas como ensinar? O que devemos fazer para que nossos filhos se tornem pessoas com total autonomia sobre seus gastos?

Fazer as crianças participarem do processo
Leve seus filhos às feiras e supermercados. Faça-os entenderem o valor de cada item e quanto é importante economizar. Procure também incentivá-los a brincar com jogos de tabuleiro e outras brincadeiras que possam contribuir para educação financeira enquanto se divertem.

Use a mesada de forma correta
Muitos pais ficam com certo receio de fornecer uma mesada aos filhos. Mas essa é uma das melhores formas de fazê-los entenderem a importância do dinheiro. Procure estabelecer um valor fixo e em hipótese alguma forneça algum valor extra, caso eles acabem com o dinheiro antes do fim do mês.  Dessa forma, eles aprenderão a ter controle sobre seus gastos.

Incentive-os a poupar
Mostre às crianças todas as vantagens de saber poupar o seu dinheiro. Se seu filho vier ter aquela conversa para pedir um presente caro, mostre que com um planejamento da própria mesada ele vai conseguir comprar aquilo que deseja.

 

Complemento da renda familiar

21 de julho de 2017

 

Planeje a aposentadoria com a ajuda do consórcio

Planeje a aposentadoria com a ajuda do consórcio

 

O consórcio é um mecanismo de compra tão flexível que ainda permite ajudar na sua aposentadoria. Para quem não conhece, facilita a aquisição de um ou mais imóveis, seja para morar ou investir. Como nos últimos anos, aposentar-se com tranquilidade não tem sido tarefa muito fácil e o consórcio oferece novas possibilidades para complementar a renda familiar.
Após ser contemplado, no sistema de consórcios a compra de imóveis pode ser efetivada, uma vez que a carta de crédito tem o mesmo valor de um pagamento à vista e pode ser feita com segurança e tranquilidade, além de render excelentes oportunidades, como descontos e facilidades.
Residenciais ou comerciais, o aposentado que apostar no consórcio de imóveis como uma alternativa de investimento para o futuro poderá contar com uma renda fixa vinda dos aluguéis. Portanto, o consórcio também ajuda no planejamento, melhorando a disciplina financeira. Isso acontece pelo fato de ter que estar em dia com os pagamentos para que a contemplação ocorra normalmente.
Pensar em alternativas complementares, como a compra de imóveis pelo consórcio pode garantir no futuro, a sua segurança financeira. Faça uma simulação! Escolha o valor do seu bem e o plano de pagamento mais acessível para o seu orçamento, sem sobrecarregá-lo. Entre em contato conosco http://consorcio.breitkopf.com.br/ ou via whatsapp (47) 9 8415-6342.