Posts com a Tag ‘banco central’

Parcelas acessíveis, segurança e tranquilidade na Breitkopf Consórcios

terça-feira, 10 de abril de 2018

 

foto-materia-4-(1)

 

Quem opta por um consórcio sabe que está fazendo uma compra programada, de médio ou longo prazo, em que o valor do bem é parcelado de forma flexível em parcelas mensais adequadas ao seu orçamento. Na Breitkopf Consórcios, os clientes contam, também, com a tranquilidade e a segurança de estar contratando uma empresa idônea e autorizada pelo Banco Central.

 

Além destas vantagens, o consórcio é um sistema financeiramente mais atraente, pois permite comprar um carro, moto ou imóvel sem pagar juros. Sem parcelas intermediárias e sem burocracia, o consórcio possibilita a adesão em grupos com uma ou mais cotas de consórcios, facilitando a compra de bens com alto valor agregado.

 

O consórcio é como um autofinanciamento, no qual o cliente escolhe o crédito e o prazo de pagamento conforme sua disponibilidade. Assim, a cada parcela paga, um fundo comum se forma com o objetivo de contemplá-lo, seja por meio dos sorteios ou lances.

 

O cliente contemplado que estiver em dia com os pagamentos recebe uma carta de crédito para que possa comprar à vista o bem desejado. Por isso, esse autofinanciamento ajuda a manter a disciplina financeira entre os envolvidos. Afinal, ninguém quer perder a chance de ser contemplado e antecipar a realização de seu sonho!

6 dicas para fazer um consórcio

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017
Seus sonhos podem se tornar realidade .

Seus sonhos podem se tornar realidade .

Sonha em comprar uma linda casa, em ter o casamento dos sonhos ou um curso no exterior? Seus sonhos podem se tornar realidade sem você precisar fazer empréstimos com juros altos. Basta contratar um consórcio. Isso mesmo! É possível planejar seu futuro ao adquirir uma carta de crédito. Mas para isso, observe 6  Dicas básicas para fazer um consórcio.  

1 – Analise se você pode esperar a contemplação 

O consórcio é ideal para quem se programa para o que deseja em médio e longo prazo. Assim, você precisa analisar a sua necessidade e identificar se há a possibilidade de aguardar a contemplação por sorteio ou lance. Lembre-se: no consórcio, todos os participantes concorrem em igualdade, não é possível saber quando você será contemplado.

2 – Só compre de administradora autorizada pelo Banco Central 

Só podem administrar grupo de consórcios empresas autorizadas pelo Banco Central do Brasil, que é a autoridade que regulamenta e fiscaliza o Sistema de Consórcios. Consulte as administradoras autorizadas no site http://www4.bcb.gov.br/fis/cosif/rest/buscar-instituicoes.asp

3 – Encontre o melhor plano 

Prazo, taxa de administração, valor do crédito, cobrança ou não de fundo de reserva e de seguros, dentre vários outros pontos, variam entre as empresas que oferecem o consórcio. Pesquise para encontrar a melhor opção.

4 – Leia atentamente o contrato 

A ABAC sempre orienta o consumidor a ler com bastante atenção as cláusulas do contrato, pois é nele que constam todos os direitos e deveres do consorciado e da administradora. Com a leitura do contrato, você fica ciente de todas as regras do seu consórcio.  Se estiver com dúvidas entre em contato com a ABAC pelo e-mail falecom@abac.org.br.

5 – Informe-se quanto às garantias 

A administradora precisa seguir alguns procedimentos para garantir a segurança do grupo. A apresentação de garantias é uma delas. Para utilizar o crédito ao ser contemplado, o consorciado precisa comprovar para a administradora que pode arcar com os compromissos do consórcio até o final do grupo. Assim, a contemplação dos demais participantes, que depende da contribuição de todos, ficará assegurado. De acordo com a legislação, a administradora pode solicitar ao consorciado até mesmo garantias complementares, se julgar necessário. Consulte sua administradora para mais informações.

6 – Entenda por que a parcela pode variar 

O crédito no consórcio é corrigido conforme o critério estabelecido no contrato, sendo o mais comum algum índice de inflação (como IPCA e IGPM) ou o preço sugerido pelo bem, como no caso de veículos. Isso acontece para que, independentemente da data em que for contemplado, você possa adquirir o bem ou serviços desejados. Vale destacar que o valor do seu crédito também pode variar para menos. Se o índice for negativo ou o preço sugerido cair, o valor do seu crédito e da sua parcela também cai. Graças à correção do crédito, seu poder de compra estará garantido.

O consórcio oferece inúmeras vantagens para quem planeja e sabe o que quer. Procure uma das lojas da Breitkopf e faça o seu consórcio! (Fonte: http://blog.abac.org.br/dicas-da-abac/6-dicas-basicas-para-quem-quer-fazer-um-consorcio#blog)

Consórcios liberaram mais de R$ 15 bilhões para o mercado consumidor

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Consórcios-liberaram-mais-de-R$-15-bilhões-para-o-mercado-consumidor

No acumulado de janeiro a maio deste ano, o Sistema de Consórcios liberou R$ 15,3 bilhões em créditos para consorciados contemplados em veículos automotores, imóveis, eletroeletrônicos e serviços. O total foi 11,7% maior que os recursos do mesmo período no ano passado, quando somou R$ 13,7 bilhões. O valor é resultado das contemplações realizadas nos cinco primeiros meses de 2014 que acumularam 558,9 mil, 11,6% mais que 550,9 mil (jan-mai/2013) anteriores, segundo a assessoria econômica da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC).

“Ultimamente, os consorciados contemplados estão vivendo um momento bastante favorável para adquirirem seus bens ou contratarem serviços. Com a carta de crédito na mão, têm poder de compra à vista como se estivessem com dinheiro no bolso, podem negociar preços e obter vantagens financeiras que permitam concretizar o sonho desejado”, comenta o presidente executivo da ABAC, Paulo Roberto Rossi.

O número de participantes do Sistema de Consórcios também registrou alta. Subiu de 5,42 milhões (maio/2013) para 5,92 milhões (maio/2014), novamente um recorde histórico.

Consórcios representaram mais de 20% dos créditos liberados

Dados do primeiro quadrimestre, divulgados pelo Banco Central do Brasil, revelam que as contemplações dos consórcios representaram 21,1% do total de créditos liberados ao mercado para aquisição de veículos automotores. Do total de R$ 47 bilhões, incluindo os volumes dos financiamentos e leasing, R$ 9,9 bilhões foram gerados pelo Sistema de Consórcios.

Consórcio é um sistema de autofinanciamento. Trata-se de um grupo de pessoas que se reúne para propiciar a aquisição recíproca de bens ou serviços durante prazo determinado. Na realidade, todos os participantes têm direito a receber crédito para a compra pretendida, seja por sorteio seja por lance. O consórcio funciona do mesmo modo para todos os tipos de bens – veículos automotores, imóveis, eletroeletrônicos e outros bens duráveis – e serviços de qualquer natureza. É importante ressaltar que, além do sorteio mensal, há a possibilidade de o consorciado oferecer lance e, se vencedor, permitirá o acesso ao crédito a qualquer momento.

Fonte: ABAC

Cuidado na hora de contratar um consórcio

segunda-feira, 17 de março de 2014

contratar

O brasileiro está investindo mais nos consórcios. Entre os carros, o aumento foi de 25% no ano passado. Mas é preciso ter cuidado com as empresas que parecem consórcio, mas não são.

Os administradores de consórcios recomendam que as pessoas procurem empresas reconhecidas e sempre verifiquem se o consórcio tem registro no Banco Central. Esse tipo de negócio tem atraído consumidores por não cobrar juros e aplicar apenas uma taxa de administração.

A vantagem dos consórcios é que as parcelas são baixas e não têm sem juros. Para um carro de R$ 50 mil, por exemplo, o consorciado paga em média R$ 750 por mês, mas se não for sorteado ou não conseguir dar um bom lance, tem que esperar pelo menos 80 meses para receber o veículo.

Apesar de não ter juros, paga-se uma taxa de administração de cerca de 20% do valor do consórcio. Mas é preciso ficar atento para ter certeza de que o que está sendo oferecido é mesmo um consórcio.  A dica é comprar de uma administradora com funcionamento autorizado pelo Banco Central. “Se não tiver autorização é problema na certa. Tem que ser autorizado e fiscalizado pelo Banco Central”, explica o presidente do conselho nacional da Associação Brasileira de Administradores de Consórcios (ABAC), Fabiano Lopes Ferreira.

Nos consórcios legais, o contemplado continua pagando as prestações até o fim do contrato. A não ser que ele resolva abater todo o débito de uma só vez.

Vendas de veículos por consórcio crescem no Brasil

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Prestação mais baixa, ausência de taxas de juros e possibilidade de se programar para adquirir um bem são as principais vantagens que impulsionam o bom desempenho do consórcio.

Para fugir do transporte público de má qualidade, muita gente acaba apostando no consórcio de veículos. O mais procurado é o de moto. O principal atrativo é a prestação, que é mais baixa do que financiar pelo banco. É por isso que o consórcio está firme e forte, registrando, inclusive, crescimento nas vendas.

Ao todo, 4,86 milhões de consumidores pagam algum tipo de consórcio hoje no Brasil. Mais de 80 mil novos contratos foram feitos entre janeiro e abril de 2012. Um incremento de 4,6% em relação ao mesmo período de 2011. O plano mais procurado é o de motos, seguido do de carros e de imóveis.

Quem faz um consórcio normalmente paga prestações mais baixas do que se pegasse um financiamento bancário. Mas não pode ter pressa. O consumidor pode ter que esperar anos até ter o bem desejado. No caso dos automóveis, o prazo médio é de sete anos, de acordo com a Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios (ABAC).

O consumidor até pode tirar o carro antes, se for sorteado ou der um lance, além da prestação. O economista Carlos Eduardo de Freitas diz que com a inflação em crescimento e juros da poupança em queda, o consórcio passa a ser mais atrativo, mas lembra que é preciso ter alguns cuidados: antes de decidir por uma cota de consórcio é bom checar se a empresa está autorizada a funcionar. Esta informação está disponível no site do Banco Central.

Consórcios respondem por parcela significativa na motorização dos brasileiros

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Consórcios respondem por parcela significativa na motorização dos brasileiros

A origem do Sistema de Consórcios, uma criação brasileira dos anos 1960, objetivou a viabilização das vendas dos primeiros automóveis nacionais. Cinquenta anos depois, segundo pesquisa do Instituto de Pesquisas Econômica Aplicada (IPEA), metade dos domicílios brasileiros dispõe de pelo menos um veículo.

“Os consórcios, nessas cinco décadas, responderam pela aquisição de milhões de veículos automotores, novos ou usados, nacionais ou importados, contribuindo significativamente para essa marca”, explica Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da Abac (Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios). “Um exemplo recente ocorreu nos onze primeiros meses de 2010, quando mais de 800 mil contemplados puderam comprar o seu carro, motocicleta ou mesmo caminhão”, diz o presidente executivo.

No período, houve ainda mais de 1,6 milhão de novas adesões, sinalizando que o mecanismo pode ser utilizado como o meio mais econômico de aquisição de um veículo de qualquer natureza, dentro do planejamento financeiro pessoal ou familiar, acumulando 3,36 milhões de participantes no maior setor do Sistema.

De acordo com a pesquisa do IPEA, a expectativa para o futuro é de crescimento da motorização da população em razão da política de incentivos e da consequente ausência de investimentos em infra-estrutura de mobilidade. “Esse cenário nos leva a projetar um crescimento importante para os automotores, visto que o brasileiro tem utilizado o consórcio como forma de poupança programada para tais realizações. Nele, o consumidor disciplina sua economia mensal; não se inclui nos quase 16 milhões de contas de poupança inativas, segundo dados de junho de 2010 do Banco Central; e, principalmente, concretiza seu objetivo”, diz Rossi.

Imóveis

De janeiro a novembro, no mercado imobiliário, o consórcio repetiu o crescimento de anos anteriores, possibilitando a mais de 60 mil contemplados a aquisição de imóvel. Com a mesma expectativa de formação ou ampliação de patrimônio, 210 mil brasileiros aderiram aos consórcios, nesses meses.

“Baseado em 2010, os indicativos para este ano, considerando os mercados de veículos automotores, imóveis, eletroeletrônicos e serviços, levam a ABAC projetar um crescimento de sete a 10 por cento nas vendas globais, podendo atingir a marca de 2,15 milhões de novas cotas”, estima o presidente executivo da entidade. “Aliás”, continua, “os aumentos constantes nas adesões e as consequentes contemplações, momentos de consumo no Sistema de Consórcios, contribuíram para a ampliação ou manutenção da produtividade industrial que, até o terceiro trimestre de 2010, já atingia a cifra recorde de 8,5% sobre o patamar de 2002, segundo dados divulgados pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI)”.

Cotas de consórcios estão na mira do Procon

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Adquirir consórcios com vantagens excessivas, como as que oferecem cotas contempladas, pode não ser um bom negócio. De acordo com dados da Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon), no Tocantins, apenas no período de 1º de janeiro a 18 de agosto deste ano, 468 reclamações referentes às administradoras de consórcios foram registradas.

Para não ser enganado, o cliente deve tomar algumas precauções antes de assinar o contrato. Conforme a Associação Brasileira das Administradoras de Consórcios (Abac), nos últimos 45 anos, mais de 10 milhões de brasileiros já adquiriram seu carro, casa própria ou outro bem por meio de consórcio. Atualmente, o sistema reúne 3,6 milhões de participantes.

Para a superintendente do Procon-TO, Luciene das Graças Dantas, antes de fechar um contrato para adquirir um bem por meio de consórcio, o consumidor deve ler atentamente todo o documento e desconfiar das vantagens que diferenciam a empresa das outras. “É importante que fique atento, especialmente aos anúncios de vendas de cotas contempladas, ou falsas promessas, para não ser enganado”, destaca a superintende.

Conscientização

Visando conscientizar o consumidor, a Abac está divulgando na imprensa anúncios contendo orientações básicas, com informações que o consumidor deve saber para não cair em uma propaganda enganosa.

A Associação pondera que o sistema de consórcios é ótimo, mas não faz milagres. “Desconfie de anúncios que oferecem vantagens demais. Exija uma declaração da administradora confirmando a informação antes de fechar negócio”, pontua a Associação.

Para entrar num consórcio com toda a segurança, a Abac sugere que o consumidor só adquira cotas de administradoras autorizadas pelo Banco Central (BC). Outra boa dica é checar junto ao Procon se a empresa tem reclamações contra ela.

Fique por dentro das novas regras para os consórcios

terça-feira, 28 de outubro de 2008

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou, no início de outubro, a Lei nº 11.795, também chamada Lei dos Consórcios, que estabelece novas regras para esta atividade no Brasil. Ela passará a valer em fevereiro de 2009 e traz algumas novidades, como a criação de grupos de consórcios para pagamento de serviços, a exemplo das áreas de saúde e educação.

Outro aspecto da Lei nº 11.795 é a possibilidade de utilização da carta de crédito para quitação de financiamento, situação que até então não estava prevista nas normas do Sistema de Consórcio estabelecidas pelo Banco Central.

Um dos destaques é a nova metodologia para devolução de valores a cotistas excluídos. A partir das novas regras, quem desistir do consórcio continuará concorrendo aos sorteios e, na contemplação, receberá o reembolso da importância investida a que tem direito.

O texto estabelece que o grupo de consórcio seja representado por sua administradora, em caráter irrevogável e irretratável, ativa ou passivamente, em juízo ou fora dele, na defesa dos diretos e interesses coletivamente considerados e para a execução do contrato de participação em um grupo de consórcio, por adesão.